Dia 51

Dia 51: Guaratinguetá

Por Rafael José Rorato
Adicionado ao site em 05/12/2015
Modificado pela última vez em 12/04/2016 às 00:11

Pego minhas coisas e mudo de hotel. Quarto bem mais decente. Na recepção, me informo como pegar uma condução para Aparecida.

Paro na padaria para tomar o café da manhã e sigo para cidade vizinha. Desembarco muito próximo à basílica e, felizmente, como é dia de semana, não estava abarrotada de pessoas. Imagino a data do dia 12, nesse mesmo mês.

Sigo a visitar a casa dos ex-votos e fico emocionado. Literalmente, além da demonstração de fé, pode-se considerar uma riqueza antropológica e histórica do povo brasileiro. Visito o museu e o belvedere da torre. Ao subir e descer o elevador, percebo o “poder de toda a máquina”. Nada diferenciava a de uma grande corporação capitalista da Av. Berrini, em São Paulo.

No museu observo maiores incentivos para cicloturistar pelo vale do Rio Paraíba do Sul. A cidade de Bananal será uma meta turística. Quando? Não sei.

Na basílica visito a imagem de Nossa Senhora de Aparecida e perambulo pelas “capelas”. Ótimo momento para agradecer o caminho trilhado até então. Também peço proteção para os próximos dias. Da nova basílica, sigo a caminhar para a antiga, a qual me atrai mais. Desço a ladeira passando por um misto de alguns casarios históricos e muito comércio ambulante, referente à peregrinação e a imagens de santos.

Retorno a Guaratinguetá e tenho uma bela surpresa ao andar pela parte antiga da cidade, entre o Rio Paraíba do Sul e a BR-116, Via Dutra. O complexo arquitetônico histórico é muito rico. Acabo tirando muitas fotos de casas e casarios. Caminho muito pela cidade e desbravo alguns cafés.

À noite, desisto de jantar em algum restaurante japonês e repito a dose no restaurante dos sulistas. Estudo o caminho do dia seguinte.

No hotel, após a janta, exponho minhas dúvidas e receios para essa próxima etapa para os caminhantes de Peçanha. No quarto, faço ligações para três possíveis hospedagens entre Guaratinguetá e Cunha. Descubro que duas delas estão indisponíveis.

A minha opção seria a Pousada Seriema. Porém, na primeira ligação, descubro que ela está lotada. A administradora pediu para eu ligar no dia seguinte. Boa noite!

Caro leitor, por algumas páginas escritas esqueci de comentar sobre alguém. Falo do meu amigo caminhante-corredor, o Sr. Alessandro. Quando vim a carimbar aqui nessa cidade paulista, a vantagem de tempo dele já passava duas semanas. Por várias cidades eu vim perseguindo o rastro dele nos locais aonde carimbava o meu passaporte.

51o dia

Caminho Velho
21/outubro/2014
0 km percorridos
Localidades

Todos os trechos

Acesse abaixo todos os trechos que já percorri na Estrada Real.

Caminho dos Diamantes
Caminho Velho


Trechos relacionados

Meu pernoite

  • Hotel Royal

Coisas interessantes que vi

  • Aparecida