Estação Traituba

Dia 41: Carrancas – Estação Traituba

Por Rafael José Rorato
Adicionado ao site em 02/12/2015
Modificado pela última vez em 04/01/2016 às 20:22

Acordei destruído. Começo a organizar a mochila, recolho as roupas do varal, café da manhã, fotos de despedida com o pessoal da pousada e 7h20 estava na estrada.

Um calor infernal me faz parceria nas primeiras horas da manhã. Trânsito de veículos e poeira até o Complexo da Zilda. É sábado e as pessoas buscam os recantos para diversão, seja ela como e qual for.

Meu corpo sofre com o calor, debilitado pela noite mal dormida, me deixando, assim, mais cansado. Mas a paisagem é bela, observando o conjunto de montanhas da Serra de Santo Inácio. São Thomé das Letras “tão perto, tão longe”. Em um mapa comercial da Estrada Real que vi no Museu do Tropeiro, o traçado do caminho passava pela exotérica cidade mineira. Sabe-se lá o porquê da mudança.

Eis que, quando entro, o receptor GPS me guia a converter à esquerda. Entrando na estrada para Minduri, cruzo com um motociclista. Rapidamente percebi que estava viajando, seja pela GoPro no capacete, pelas roupas e bagagem. Também deduzo que ele percorria a Estrada Real. Sigo o meu rumo e, em menos de um minuto, ele retorna e vem conversar comigo. Era o Hebert, de Belo Horizonte. Minha dedução estava correta. A viagem dele era de Paraty a Ouro Preto.

Conversarmos por uns 40 minutos numa pequena sombra. Era a segunda vez que ele fazia o trajeto. A primeira foi no sentido no qual eu estava a percorrer. Diz que não aproveitou direito Paraty por estar cansado e ter que retornar a Belo Horizonte. Dessa vez, a viagem seria mais proveitosa na cidade litorânea. Trocamos experiências vivenciadas nas nossas viagens.

Comento com ele uma ideia maluca em fazer um “moturismo” pelo interior da Paraíba, com uma Honda CG 125, alforges de couro cru, baixa velocidade, pequena distância, estradas sertanejas na caatinga. Esse modelo seria uma escolha mais cultural e antropológica, considerando que essa categoria de motos substituiu o simbólico jegue.

Ele caiu na gargalhada e me puxou para a realidade. Fundamenta-se somente nos aspectos da falta de conforto e segurança. Ainda mais se pensado em trafegar em vias não pavimentadas. A revenda da moto também foi cogitada como um problema ao término da viagem. Para a minha elucubração, ele até sugeriu o modelo de moto que ele estava a utilizar nessa viagem. Um modelo intermediário entre a Honda CG 125 e uma Yamaha Ténéré 660 e que pode alimentar o desejo por bigtrail. Sugere meu amigo a Tornado XR 250. Deixo de lado esses sonhos de liberdade  e caio novamente na minha realidade sobre botas. Trocamos telefones, tiramos uma foto, nos despedimos e seguimos viagem.

São esses acontecimentos que tornam a viagem prazerosa. Conhecer pessoas tão incomuns, as quais compartilham a mesma doença causada pelo vírus “estrada”.

Verifico o relógio: 12h30. Verifico o receptor GPS: restam 8km. O calor continua forte. Um homem a cavalo passa por mim no sentido contrário. Nos cumprimentamos. Um pouco mais adiante, paro em uma casa simples para pedir água. Uma menina negra me atende, meio ressabiada. Depois de desarmada, ela se mostrou atenciosa e me trouxe uma jarra d’água, que seco rapidamente. Olho para os pés da garota, descalços. Agradeço e continuo o rumo.

O cavaleiro que anteriormente saudei, passa por mim retornando. Ele ficou admirado pelo tanto que tinha andado, entre os diferentes momentos que nos vimos. Pedi informações sobre a residência do Sr. Roberto. Explicou-me que era após a igreja. Ao passar em frente à igreja, vejo que teria festa. Nesse momento, me dei conta que no dia seguinte seria o dia de Nossa Senhora de Aparecida.

Na comunidade, me informo mais uma vez sobre o local da hospedagem. Como vi que estavam preparando comida para a festa à noite, resolvi perguntar. Acabei almoçando pão com carne e duas latinhas de guaraná. Sigo para o destino final, a antiga Estação Traituba, agora casa do Sr. Roberto. Bem simples e rústica, com alguns simpáticos vira-latas. Cama e chuveiro.

Ponho-me ao banho. Resolvo dar uma esticada na cama, pois não há o que visitar ou perambular. Acabo dormindo até às 17h. Acordo e vou conversar com o pessoal da casa. Além do dono, tinha mais gente hospedada. Vieram para participar da festa na igreja. Café, um pedaço de bolo e muita conversa, ou melhor, “mão de prosa”.

Às 18h20, a janta está pronta. Panelas no fogão a lenha. Tudo muito simples, mas saboroso. Descubro que, além dos cães, tinha um gatinho. Casa com animais e crianças traz muita vida e energia. Experimento uma pinga oferecida pelo anfitrião. Mais um pouco de conversa e não me animo para ir ver a festa na comunidade. Assisto um trem a passar a noite.

Às 20h30 vou para cama, pois o “dia de amanhã será um duro domingo!”

41o dia

Caminho Velho
11/outubro/2014
28,27 km percorridos
Localidades
img_3154 Clique para ampliar

Downloads
KML GPX

Todos os trechos

Acesse abaixo todos os trechos que já percorri na Estrada Real.

Caminho dos Diamantes
Caminho Velho


Trechos relacionados

  • Dia 10: Itambé do Mato Dentro – Senhora do Carmo – Ipoema +

    O café da manhã foi excelente! Monto o sanduiche extra para a viagem e embrulho-o em guardanapos. Muitas frutas no café. Pego minhas tralhas e sigo o rumo para Ipoema. Primeiro trecho com subidas fortes. Esse foi o segundo [...]

    Leia mais
  • Dia 11: Ipoema +

    Reservei o dia de hoje para tirar fotos do distrito e realizar a visita ao Museu do Tropeiro de Ipoema. No museu eu conheci a Marli, o Luis Francis (índio), o Sérgio Mourão (jornalista/fotógrafo), a Kelly e a Conceição. [...]

    Leia mais
  • Dia 39: Capela do Saco – Carrancas +

    Tomo meu café da manhã, tiro fotos com os donos do local e parto de Capela do Saco. Ao sair, cumprimento o pessoal de ontem, que estava na obra. Desejam-me boa viagem. O caminho é muito belo. Avisto montanhas, [...]

    Leia mais
  • Dia 40: Carrancas +

    Acordo com uma preguiça. Recolho as roupas no varal, todas secas. Tomo meu café da manhã e para enfatizar minha preguiça, retorno para a cama e fico à toa na internet. A “leseira” me consome até às 9h. Resolvo, assim, [...]

    Leia mais

Meu pernoite

  • Pousada Carrancas
  • Estação Traituba
  • Pousada Roda Viva

Selfies e pessoas que encontrei

  • Povo da Hospedagem Estação Traituba
  • Hebert “mototurista”

Galeria no Panoramio