Serra de São José, Tiradentes

Dia 34: Bichinhos – Tiradentes

Por Rafael José Rorato
Adicionado ao site em 01/12/2015
Modificado pela última vez em 11/04/2016 às 23:00

Reunido com a turma da Ford Rural, tomo meu café da manhã de modo bem divertido. Tiramos fotos para registrar o momento, deixo meu adeus e sigo o caminho.

Creio que uma das maiores atrações de Bichinhos se encontra no caminho para Tiradentes. É o Museu do Automóvel da Estrada Real. Estava na expectativa da visita e acabo chegando antes da abertura do museu. Espero do lado de fora e conheço o proprietário – Sr. Rodrigo – que estava a regar as plantas do jardim. Explico a minha viagem pela Estrada Real a pé e fui questionado por ele se já tinha ouvido falar do Flávio Leão. Comento que não. Explicou-me que é um caminhante de Ouro Branco. Percorreu Caminho de Santiago de Compostela e os caminhos da Estrada Real. Disse para visitar o museu e depois procurar os livros dele a venda no balcão. Acabei pegando o contato e comprei os livros após a minha viagem.

No museu fui recebido pela Dona Vera, esposa do Sr. Rodrigo. Eu que não sou um aficionado por automóveis achei o acervo incrível. Todos os veículos chamam atenção e são charmosos. Após uma demorada visita e várias fotos tiradas, tento um café no museu, mas o “barista” estava ausente. Resolvo seguir o caminho.

Observo à minha direita a bela Serra de São José, possivelmente por onde os primeiros caminhos reais passavam para chegar a Tiradentes. Meu ex-chefe de Brasília, o Marconi e o Roney comentaram dos preços abusivos praticados nos valores de alimentação e hospedagem. Cidade inflacionada por “globetes”.

Assim, tentei buscar algo barato para os padrões da cidade. Acabo me hospedando no bairro Cuiabá, não muito afastado do centro histórico. Encontro para pernoite a Hospedaria de Maria, a R$90 com café da manhã. Tomo banho e me organizo.

Era sábado, véspera do primeiro turno das Eleições 2014. Pressentia que o fim de semana seria tranquilo, sem grandes movimentos de turistas. Preciso passar no banco e corro atrás de uma agência bancária. E o que descubro: para uma cidade como Tiradentes, não há agência do Banco do Brasil! Há um mísero e velho caixa eletrônico na rodoviária. Para complicar minha vida, o terminal é dos malditos e velhos modelos que sempre dão incompatibilidade com o chip do cartão magnético. E para esse problema, sempre escuto dos funcionários do BB que o problema é com o cartão do cliente. Papagaios bufões!

Ferrado e com grana acabando. Fico sabendo por um taxista da rodoviária que o passeio de “Maria Fumaça” para São João del Rei aceita cartões. Tecnicamente salvo. Fico à toa na praça por uma hora. Nela estavam algumas tendinhas com artesões e alguns quitutes gastronômicos. Uma bela e estilosa garota me oferece um pedaço de bolo e felizmente tinha café e dinheiro suficiente para pagar por ambos. Conversamos um pouco. Sento-me no banco da praça, observando o pequeno movimento. Ligo para um amigo de Brasília e fico de conversa mole.

Chegada a hora da compra do bilhete do passeio. Observo o “girador” da locomotiva em funcionamento. Ferrovia com bitola de 760mm e material rodante bem conservado. Sento ao lado da janela do vagão, na classe econômica. Uma trupe de turistas padrão CVC invade o ambiente. Todos nós turistas temos cara de tolos. Somos facilmente identificados. Garanto que é por isso que ocorra tanto assalto a turistas Brasil a fora.

Sendo minha área a Engenharia de Transportes fico fascinado com o velho vapor e em poder viajar nele. Fico observando os detalhes dos vagões, aberturas, assentos, engates dos vagões e, obviamente, a paisagem passando pela janela. Ironicamente ao chegar em São João del Rei, a composição é seguida por um “doidinho” de bicicleta, no qual imitava o som da sirene da locomotiva e mostrava o barrigão. Felizmente era a barriga!

Tenho a minha primeira percepção de São João del Rei: cidade média, mas grande pelo padrão das que andei até agora; pichações nos muros ao invés do graffiti; usuários de crack em uma ponte ferroviária; o típico caos das urbanidades. Temos um tempo para perambular antes do retorno. Busco o banco e resolvo o meu problema de dinheiro em espécie. Não vou muito longe, pois o turismo nessa cidade será realizado outro dia. Descubro um hotel em um casario histórico, ao lado da estação ferroviária. Dirijo-me até lá, verifico os preços e realizo a reserva. Exploro as partes internas da estação e os equipamentos históricos lá expostos.

Retornamos a Tiradentes. Saio da estação e inicio a caminhada pela cidade. As ruas que convergem à Igreja de Santo Antônio me trazem à memória a cidade uruguaia de Colonia del Sacramento. Constato que o comércio é constituído por muitos restaurantes e ateliês padrão “globete”. Também se ouve muito mais o sotaque “carioquês” pelos comércios e ruas do que o “mineirês” propriamente dito.

Dicas para visita e contemplação: Igreja de Santo Antônio e a bela vista da Serra de São José (ótimo para o por do sol); Igreja de São João Evangelista; Igreja de São Francisco de Paula; Igreja das Mercês; Igreja do Rosário; Rua Direita; Beco do Zé Moura; Igreja Bom Jesus da Pobreza ; Museu Sant’ana; e Museu da Liturgia.

A tarde vai acabando e os arredores do Largo das Forras estão agitados, com pessoas nos bares e música ao vivo. Sigo procurando um lugar para sentar, comer, beber e vadiar um pouco. Identifico um “botecão” e resolvo ficar: uma dose de pinga, pastéis de angu, frango a passarinho, uma cerva e expressos. Literalmente fechei o bar. Fiquei conversando com os donos e um pintor, que atuou na França por um período. Sempre há ótimas descobertas humanas. Só que essa brincadeira não saiu muito barata não. Tudo bem, estamos em Tiradentes!

34o dia

Caminho Velho
04/outubro/2014
10,22 km percorridos
Localidades
img_3006 Clique para ampliar

Downloads
KML GPX

Todos os trechos

Acesse abaixo todos os trechos que já percorri na Estrada Real.

Caminho dos Diamantes
Caminho Velho

Minhas refeições

  • João Rosa

Meu pernoite

  • Pousada Vovó Cota
  • Hospedagem de Maria

Coisas interessantes que vi


Selfies e pessoas que encontrei

  • No bar do João Rosa
  • Na Hospedaria de Maria

Galeria no Panoramio


Fotografias